segunda-feira, 8 de abril de 2013

Uma imagem por um texto: No Inferno de um mar gelado


Num lento pestanejar, leva as mãos aos olhos sem saber muito bem onde está. A leve neblina tudo envolve e o ar gélido que percorre os mares da Terra Nova fá-lo acordar. Sente um arrepio na espinha e o terror de não ver a embarcação principal... tem um bacalhau preso à linha, e não faz a menor ideia onde se encontra.
Vento e mar, são os únicos sons num filme de terror que tarda em terminar.
Quero acordar, quero acordar, pensa. Não era um sonho… o pesadelo, esse, era bem real.
Para trás ficara a mulher e os filhos… para trás a terra pobre…
Três meses de mar já passados a vinte horas diárias de trabalho, vencido pela exaustão e um “dory” pleno de bacalhau, num mar agora zangado e ainda mais perigoso.
A embarcação de boca aberta, em madeira, constituída por três remos, bancos, forquetas, balde, mastro, verga e vela não parecia estável… recolhe o aparelho, deita algum do bacalhau fora na tentativa de voltar a equilibrar o bote.
Olha para a pequena bússola sem saber as horas, o dia já vai alto… sabe que consegue adivinhar a posição do navio, se este ainda aí estiver.
Começa a remar como nunca remou, a força, essa, vem muito certamente da alma, do instinto de sobrevivência, certo de que baixar os braços não é opção.
A neblina acalma e um vulto de grandes dimensões surge no horizonte. Já sem força para continuar, os sentidos desligam-se, o fim está iminente.
A sensação de conforto de uma cama e lençóis, a temperatura amena de uma divisão impecavelmente limpa e alguém a lhe falar numa língua indecifrável, “estou louco”, pensou.
Mas não estava… encontrado já inconsciente, por um navio de carga russo, um segundo folego foi-lhe oferecido…
A vida, essa, é feita de pequenos milagres…

4 comentários:

  1. Eu creio encontrar um ,milagre, todos os dias.

    ResponderEliminar
  2. E tua estória é a estória de tantos homens embarcados nos bcalhoeiros, é um trecho da nossa História. Levou-me a um excelente núcleo museológico em Aveiro e Ílhavo...onde podemos visitar esse tempo da nossa vida colectiva!
    Obrigada pela visita ao Quarteto:)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, não sabia da existência. Quando tiver oportunidade de ir a Aveiro tentarei o visitar.

      Eliminar