quarta-feira, 10 de abril de 2013

Já chega...

O Tribunal Constitucional tem obrigatoriamente de entender que, pelo menos enquanto este Governo estiver em funções, se deve isentar de qualquer conflito e aceitar toda e qualquer medida do executivo por mais inconstitucional que lhe pareça.
Não, não estou a ser irónico… Portugal é conduzido por pessoas que perante barreiras ou impedimentos não hesitam em vingarem-se no povo português.
Ora vejamos, no ano passado, os trabalhadores do sector empresarial do Estado ficaram sem o subsídio de natal e o subsídio de férias, e isso bastava ao Governo de Portugal. Tal receita extraordinária era suficiente para que o executivo não sentisse necessidade de proceder a novas medidas de austeridade.
Quando os juízes do Tribunal Constitucional se acharam no direito de considerar tais medidas inconstitucionais por violarem designadamente os princípios da igualdade e proporcionalidade entre trabalhadores públicos e privados, abriram nada mais nada menos que a caixa de pandora.
Em consequência do acórdão do Tribunal, para o ano de 2013, ao Governo já não bastou reter ambos os subsídios dos trabalhadores do sector empresarial do Estado (medidas que se traduzem na subtração de ambos os subsídios, retenção do subsídio de férias e o de natal pago por duodécimos mas consumido pelo aumento da taxa de IRS e pelos novos escalões), como também passou a sentir necessidade de reter o subsídio de natal aos trabalhadores privados pela via dos duodécimos consumidos pelo aumento da taxa de IRS e pelos novos escalões…
Pura vingança ou pura incapacidade para exercer funções?
Este ano, uma vez mais, o Tribunal Constitucional achou que ainda existe Constituição, que ainda existe separação de poderes, que ainda existem direitos… francamente, que prepotência, quem pensam os juízes que são???
Amigos, é o efeito da “bola de neve”, Vitor Gaspar já realizou o seu “golpe de Estado” e mandou parar com toda e qualquer despesa e o Primeiro Ministro de Portugal, mas aparentemente não dos portugueses, já refere despedimentos e mais cortes em todas as áreas que representam toda uma evolução e que nos separavam dos países do terceiro mundo.
Antes, Portugal já defendia a saída do País para todos aqueles que se encontram desempregados…
Agora, passou a ter uma única visão:
Se não tens rendimentos para pagar impostos, não nos és útil e não contes com a nossa solidariedade enquanto País, não temos qualquer intenção de te ajudar a sobreviver ou a voltar para um mercado de trabalho que ajudamos a destruir.
E, se voltares algum dia a trabalhar, quem sabe nessa altura Portugal já seja um País competitivo e por essa mesma razão não esperes por um salário acima dos 200 ou 300 euros.
E pensar eu que levámos tantos anos para tentar acabar com a miséria, com os bairros clandestinos, com os inexistentes índices de escolaridade, com a falta de esperança por um futuro digno

18 comentários:

  1. O Governo é competente e está a cumprir aquilo para que foi eleito: vingar-se com juros de mora do 25 de Abril, empobrecer o país e destruir tudo quanto é público.

    O trágico é que o PSD conseguiu o pleno da mediocridade e da mesquinhez:Cavaco em Belém, Durão em Bruxelas, Passos em S. Bento.

    E eis-nos no pesadelo perfeito!

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
  2. Somos (des)governados por canalhas!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos governados por interesses… Abraço Lino

      Eliminar
  3. Lamento muito Sam essas insanidades todas que o Governo português tem impingido ao povo.
    Como vivo num País sub-desenvolvido cada pequeno crescimento tem gosto de vitória e temos conseguido algum pequeno progresso.Poderia ser mil vezes melhor se não tivéssemos também políticos tão sem escrúpulos.E o Brasil é imensamente maior que Portugal, imagine o sofrimento do nosso povo.
    Espero que consigam reagir e tomar o poder das mãos dos que levaram a essa situação seja na marra rs ou através do voto .
    abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá Lis, sei que nos compreendes… O Brasil é um País extraordinário e neste momento em pleno crescimento e evolução, com problemas estruturais e com desigualdades assustadoras que espero ver esbatidas com o tempo, obrigado.

      Eliminar
  4. Pois é meu amigo é tão fácil destruir.
    Construir, ter ideias e desenvolver o país é um problema que parece não ter a solução.
    Só tenho pena de ter dois filhos a pagaram tanta incompetência.
    Tens razão amigo Sam, já chega!!!!


    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por essa mesma razão temos bons comentadores e maus executivos… As novas gerações têm tristemente de saber continuar a lutar e não ficar circunscritas a Portugal…
      Grande beijinho Fê

      Eliminar
  5. E o que resta aos mais velhos e doentes é morrerem antes que os matem para não darem qualquer despesa!
    O sonho de Sá Carneiro era afinal um pesadelo...mas talvez ele não idealizasse uma coisa tão atroz!
    Tinha-o perdido de vista!:-))
    Obrigada pelas visitas...

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado Rosa dos Ventos, abraço e esperança.

      Eliminar
  6. Somos (des) governados por uma quadrilha. Farta de ser roubada!

    Bom regresso! :))

    ResponderEliminar
  7. Noto isso mesmo aqui em Macau - cada vez mais recebo pedidos de informação, de ajuda, de socorro.
    Mesmo de pessoas que não conheço.
    E fico cá numa angústia!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desde que nos seja possível devemos fazer por ajudar e o momento atual e as pressões profissionais para obtenção de objetivos no matter what faz com que haja menos ética e menos escrúpulos e um mundo muito mais atroz.
      Abraço Pedro

      Eliminar
  8. Sabes o que me parece? que este país é um circo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tanita, um circo teria graça… não há norte, não há um fio condutor, não há uma luz ao fundo do túnel e é isso que nos perturba. Há hábitos de ameaças de incutir medo ao povo e isso revela muito da personalidade e competência dos nossos políticos.
      Obrigado Tanita

      Eliminar
  9. Respostas
    1. Até os becos têm saída… basta seguir o mesmo caminho e regressar… perante cada obstáculo há sempre uma forma de o ultrapassar com maior ou menor esforço, há que ter energia e coragem para isso, abraço.

      Eliminar