sábado, 31 de março de 2012

Crónicas de Sábado à Noite:



Estou tentado a dar início a esta “Crónica de Sábado à Noite” com uma boa notícia para todos os Portugueses:

- Há cortes que valem a pena.

Ontem, Ribeiro e Castro, Deputado do CDS, “furou a disciplina de voto” da sua bancada, e como tal, Nuno Magalhães, líder parlamentar do partido, insurgiu-se contra (fonte: Jornal o público).

Meus amigos, independentemente de achar caricato, o facto de alguém votar contra uma revisão revolucionária do Código Laboral, e apenas o fazer com base no corte de um feriado, ignorando o demais, ainda que seja o dia da restauração da independência nacional e minimizando o facto de já não sermos assim tão independentes, a verdade parece ser só uma… e daí a minha empolgada sugestão ao Governo e ao Senhor Primeiro Ministro:

- Meus Senhores, na próxima Revisão Constitucional, igualmente, tendo por tema “Portugal”, a redução de custos e uma maior eficiência, vão ter muito certamente o apoio da quase totalidade dos Portugueses, se acabarem, pura e simplesmente, com o número de Deputados.


Ora vejamos, se após as eleições, a cada partido cabe determinada percentagem de votos, tal significa que, basta apresentar um único Deputado, o seu representante parlamentar. É claro que, a cargo dos partidos, têm forçosamente de ficar os custos com os grupos de trabalho que eventualmente sintam necessidade de ter no apoio a tal representante, até porque, meus Senhores “Não há dinheiro”.

Em suma, redução substancial de custos, maior eficiência e o fim das longas horas com discussões por terminar, num grupo que seria de trabalho.

Numa Crónica que se quer curta, não posso deixar de lamentar o atentado em “Toulouse”.

Termino este primeiro momento como gosto, a aplaudir de pé o facto da bela cidade do Porto ter sido consagrada como o “Melhor Destino Europeu 2012”, numa votação online, e Portugal ser o único País com duas presenças nos dez primeiros, com a menina e moça, Lisboa, em oitavo. (Sol)


Assim me despeço, tenham um ótimo fim de semana.
Imagem: Pintura de Cynthia Blair

14 comentários:

  1. Ora bem, a diminiução do número de deputados não estava prevista? Pois, ainda não se viu nada!
    Porto, sim, mas Lisboa, sempre!
    Bom regresso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A redução de deputados é algo que até afecta mais os partidos com menor representação parlamentar… logo, não é considerado de interesse para nenhuma das fracções…
      Obrigado Teresa

      Eliminar
  2. De facto nunca entendi muito bem a necessidade de haver tantos deputados. Dever-se-ia fazer uma redução proporcional em todas as bancadas partidárias... Eram mais uns bons tostões que se poupava aos cofres Estatais. E com menos gente na Assembleia....o barulho seria bem menor... Um ponto a favor contra a poluição sonora. Ehehe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em teoria é uma questão de “Democracia”, de representatividade, de distribuição e fiscalização do poder, por forma a não o deixar todo numa única mente, na prática talvez acabe por ser um despesismo sem a produtividade esperada…
      Abraço e bom domingo

      Eliminar
  3. A Assembleia faz-me lembrar o que se diz quando se começa a comer cerejas... Arranja-se sempre espaço para mais uma. Claro que isso nos sai dos bolsos e o resultado são as "indigestões" que tais desvarios nos causam (ao País, entenda-se).

    Boas notícias para Porto e Lisboa. Pena que Viseu e o interior não venham no mapa nem façam muito para nele serem assinalados.

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cidades como Guimarães, ou Braga têm tido projecção… depende de quem está à frente de Cidades como Viseu e de projectar actividades que as elevem…

      Eliminar
  4. Há tanta coisa onde se poderia poupar dinheiro... e, pelos vistos, também para dinamizar a economia porque se a C.G.D tem dinheiro para a tal OPA à Brisa, onde emprestam o dinheiro aos que já têm 50% para comprar mais acções e terem mais lucros porque não... apoiar a actividade produtiva... das pequenas e médias empresas? ou será para os "papeis" se desvalorizarem e quem, no final, perde o dinheiro é o Banco Estatal?

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é fácil rectificar erros provenientes de décadas de má gestão... daí as tão necessitadas restruturações estruturais…

      Eliminar
  5. Independentemente de não ser de Direita e do motivo que teve, só posso aplaudir Castro, pela coer~encia.

    Toulouse...pois tem muito que se lhe diga.Aliás, todos os terroristas brancos ou da área de ifluência dos EUA são psicopatas, desiquilibrados, assassinos isolados enquanto que os terroristas muçulmanos são maus por natureza , têm cúmplices e estão mentalmente sãos.

    Enfim, dualidade de critérios ...

    Bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Castro, quis marcar um ponto, e o facto de ser deputado deveria implicar isso mesmo, desconheço os motivos, se não será mais uma posição para dentro do próprio partido, em todo o caso considero a revisão do código revolucionária e o feriado, dentro da globalidade do que está a ser discutido, parece-me quase uma futilidade, mesmo se é um dia a elevar…

      Eliminar
  6. Olá Sam,

    Um prazer voltar a ler-te.
    Um óptimo domingo.

    kandandos, inté!

    ResponderEliminar
  7. Se reduzirem o número de depoutados mas mantiverem a proporcionalidade através de um único círculo nacional... estarei de acordo!
    De outra forma é a forma encapotada de o PS e o PSD se perpetuarem no poder.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá mfc, acabou de me dar uma ideia para um texto… quando o fizer, envio mensagem pois vou gostar de ler a sua opinião…

      O Senhor Primeiro Ministro, não me dão ouvidos… mas a minha proposta é essa mesma… manter o número de “lugares para efeito de percentagem de votos por partido, mantendo a proporcionalidade, mas com uma redução substancial dos custos .

      Eliminar